Maria Ricardo Lopes: Cristina Casimiro “não é recetível nem respeita novas ideias, ou qual­quer outra ideia”

Maria Ricardo Lopes é a candidata da coligação Inovar Almeirim (PSD/MPT) à Junta de Freguesia da Raposa. Entrevista publicada no jornal O Almeirinense de 15 de Agosto:

Que ideias tem para a freguesia da Raposa e que, na sua opinião, não estão a ser im­plementadas pela atual governação?

Tenho muitas ideias, pois há tanta coisa para fazer nesta minha terra. A freguesia da Ra­posa possui cada vez mais uma população envelhecida que necessita de cuidados médi­cos, de atividades de lazer, de carinho e aten­ção. Nada disto lhes é oferecido. Considero ser prioritário promover a interajuda, crian­do condições de ocupação de tempos livres para os nossos idosos. Promover acordos com entidades da área da saúde para visitas regulares, bem como com entidades físicas­-desportivas, como terapia ocupacional, de forma a proporcionar ocupação e qualidade de vida às pessoas. Os jovens são cada vez menos, mas temos que pensar neles, criando um centro de convívio com bar e salão de jo­gos. A limpeza é algo que me preocupa e que não tem sido prioridade do atual executivo. Os caixotes do lixo, as zonas verdes não têm sido limpas convenientemente e as wc estão ao abandono. Deve ser uma obrigação do executivo, cuidar e preservar o património, o que não tem acontecido, como por exemplo, promover a recuperação e limpeza da fonte antiga. Dada a nossa localização junto da ribeira e sermos um local de passagem, fa­ria sentido termos um bom parque para ca­ravanas. Deve-se promover a nossa fregue­sia, divulgando os nossos usos e costumes e mostrando o artesanato que algumas pessoas ainda apresentam, e assim mostrar um pouco da nossa história. A Raposa não pode ficar esquecida, e devemos encontrar argumentos para que seja sempre lembrada e acarinhada.

O que a motivou a aceitar o convite do Inovar Almeirim para este desafio autár­quico?

Em primeiro lugar, o apego que sinto a esta terra, pois foi aqui que nasci e é aqui que vivo e depois a vontade de poder contribuir para o seu desenvolvimento. A Raposa não pode continuar a ser o “parente pobre” do nosso concelho e depende de nós queremos mudar. Explicaram-me que para evoluir temos que inovar e é isso que também eu pretendo fa­zer. Vamos INOVAR na Raposa para poder evoluir, para podermos acompanhar os novos tempos e ter as mesmas condições que exis­tem noutros concelhos.

Como tem visto a governação do PS ao longo dos últimos anos? Notou diferenças de José David Gouveia para Cristina Ca­simiro?

Sim, notei. Existem muitas diferenças entre entes dois presidentes. Uma dessas diferen­ças é a amabilidade para com os fregueses. O Sr. José David respeitava todos, independen­temente das suas ideologias, e realizou muito pela freguesia. Quanto à Sr.ª Cristina Casi­miro já não posso dizer o mesmo, pois não é recetível nem respeita novas ideias, ou qual­quer outra ideia e não realizou nenhuma obra na nossa freguesia, somente pintou e caiou.

O que falta à freguesia da Raposa para atingir o patamar das outras?

Falta tanta coisa. Temos tão pouco, quando nos comparamos com as outras freguesias. Já era bom que tivéssemos o que referi na primeira pergunta. Que pudéssemos cuidar bem dos nossos idosos e nos permitissem infraestruturas para tal. Que contribuíssem para que cuidemos do nosso património. Que fosse possível explorar as casas que estão ao abandono, de forma que as mesmas pudes­sem servir a população, e a Junta fazer algo pelos mais carenciados. É neste sentido que me candidato e pretendo trabalhar.

2017@almeirim2017.com'

Fundador do Almeirim 2013 e Almeirim 2017. Licenciado em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social. Responsável de comunicação de uma federação desportiva. Colabora ainda com meios de comunicação ligados à politica nacional, ao ténis e à tauromaquia.

Share this Post[?]
        


Leave a Reply