A sua obrigação

Há uns anos atrás, a Câmara Municipal de Almeirim tinha o hábito de solicitar autorização à Assembleia Municipal para que determinado funcionário, prestes a aposentar-se, progredisse na carreira, permitindo-lhe, assim, auferir mais pensão. E fazia-o enaltecendo as qualidades do dito funcionário e a forma como ele tinha desempenhado as suas funções, sempre com elevado empenho e zelo.

Perante esta situação havia aqueles que, adoptando uma postura e um discurso politicamente correctos, acenavam com a cabeça que sim, que o fulano em questão era de uma extrema dedicação, que era dos primeiros a entrar e dos últimos a sair, que não havia ninguém como ele (mesmo que, passados uns tempos, dissessem o mesmo dum outro trabalhador). E, no lado oposto, havia os que não afinavam por este diapasão. Para estes, os trabalhadores cumpriam apenas e só com as suas obrigações, nomeadamente, desempenhar as suas funções com dedicação e zelo, ser pontuais e assíduos, recebendo, em troca, o seu salário.

Vem isto a propósito da publicitação que foi feita pelo Presidente da Câmara Municipal de Almeirim, nas redes sociais, de ter reduzido a dívida do município (de 8,3M€ em 2013 para 5,5M€ em 2016) e o prazo médio de pagamento aos fornecedores (de 66 dias em 2012 para 4 dias em 2016). Aqui, tal como no exemplo do funcionário, há duas perspectivas de análise.

Por um lado, temos os que tecem loas ao excelente trabalho do Presidente e do seu executivo (e que, por mero acaso são aqueles que fizeram, exactamente o mesmo quando a dívida estava em 8,3M€ e o prazo médio de pagamento a fornecedores era superior a dois meses). Do outro lado estão aqueles para quem um executivo municipal, seja qual for a sua cor partidária, foi eleito para, entre outras incumbências, gerir os recursos municipais de forma eficiente, pelo que reduzir a dívida e o prazo de pagamento aos fornecedores são apenas duas das suas muitas obrigações.

No caso concreto convém, no entanto, não esquecer que a redução da dívida neste período de tempo (2012 – 2016) só foi possível com o crescimento das receitas correntes que, no global, aumentaram mais de 25 por cento. Só os Impostos Directos (IMI, IMV, IMT, Derrama) sofreram uma variação positiva superior a um milhão de euros e as Transferências Correntes (oriundas do Orçamento de Estado) passaram de 5,2M€ em 2012 para 6,7M€ em 2016. Isto para não falar na almofada financeira herdada do anterior mandato.

Por isso, e não deixando de salientar o resultado alcançado, o executivo municipal e o seu presidente não fizeram mais que a sua obrigação!

humbertoneves@gmail.com'

Foi presidente do PSD Almeirim entre 2004 e 2007 e candidato à Junta de Freguesia de Almeirim em 2005 e 2009. Integrou a Assembleia de Freguesia de Almeirim entre 2002 e 2013.

Share this Post[?]
        


One Responseto “A sua obrigação”

  1. […] (publicado originalmente na página Almeirim 2017) […]

  2. xarneco1@gmail.com' Carlos Bento diz:

    Ja’ havia mencionado o facto de ser normal e obrigatorio, contudo quero lembrar aos mais incautos o que quer diazer a palavra Demagogia.

    Demagogia é um termo de origem grega que significa “arte ou poder de conduzir o povo”. É uma forma de atuação política na qual existe um claro interesse em manipular ou agradar a massa popular, incluindo promessas que muito provavelmente não serão realizadas, visando apenas a conquista do poder político.

Leave a Reply